A Sabedoria de Eclesiastes: Lições de Vida

A Bíblia é um livro surpreendente. A gente está sempre se deparando com coisas novas nela. Às vezes, com coisas não muito edificantes, mas sempre instrutivas.

Ainda ontem, lendo os livros de Samuel, Reis e Crônicas (é… alguém ainda lê esses livros, de vez em quando, ainda que por dever de ofício), descobri que Salomão, por um conluio entre o profeta Natã e sua mãe Bate-Seba (sim, aquela, do banho pelado no quintal, no meio da tarde – II Samuel 12), veio a ser rei, ainda muito novinho e aparentemente inexperiente (o conluio é narrado em I Reis 1:11-32). Fora Bate-Seba, havia uma oposição significativa à escolha dele, no restante da família (um irmão mais velho, Adonias, estava em plena campanha para ser coroado rei), no exército (o Comandante do Exército, Joabe, era visceralmente contra Salomão) e no segmento religioso (o Sacerdote Abiatar também cerrava forças contra a solução salomônica). Família, “igreja” e exército eram contra Salomão e a favor das pretensões naturais de Adonias, que se tornara o filho mais velho coma morte de Absalão (I Reis 1:5-10). Mas Davi, embora já velhinho, ainda era sensível aos encantos de Bate-Seba, mesmo que esta já tivesse uns vinte anos a mais (a idade provável de Salomão, seu filho com Davi), reuniu toda a sua notória coragem, e fez coroar Salomão, não seu irmão mais velho (I Reis 1:33-53).

Em seguida, Davi deu alguns conselhos e recomendações a Salomão, e morreu (1 Reis 2:1-10). Entre as recomendações estava a de que Salomão “não [deixasse] que [Joabe] [viesse a ter] de morte natural” (1 Reis 2:6). Sutil a recomendação. Em relação a Simei, um profeta, que, curiosamente, se recusara a apoiar as pretensões de Adonias, mas que tinha contas antigas a acertar com Davi, o velho rei simplesmente disse ao filho recém coroado: “Você é um sábio e não deve deixar que ele fique sem castigo. Você sabe o que deve fazer para que ele morra” (1 Reis 2:8-9). Nenhuma sutileza aqui.

Assim que Davi morreu, o que fez Salomão? Basicamente duas coisas:

  • Acabou com toda a oposição: mandou matar todos, um por um, com toda a frieza do mundo (1 Reis 2:13-46);
  • Depois, só depois, pediu a Deus sabedoria (1 Reis 3:1-15).

Pelo jeito, sábio Salomão já era, como Davi percebeu, tanto que fez as coisas na ordem certa… Primeiro, matou toda a oposição; depois, pediu a Deus sabedoria!

Entre os que Salomão mandou matar estavam seu irmão (na verdade, meio-irmão), Adonias (1 Reis 2:13-25), Joabe (1 Reis 2:26-35), e Simei (1 Reis 2:36-46). Abiatar ele apenas substituiu por Zadoque (1 Reis 2:35).

Apesar da mortandade, Deus atendeu ao pedido de sabedoria que lhe fez Salomão: “Dá-me sabedoria para que eu possa governar o teu povo com justiça e saber a diferença entre o bem e o mal”. E Deus elogiou o jovem rei por ter pedido sabedoria e não a morte de seus inimigos (!), ou riquezas, ou vida longa… Por causa da sabedoria implícita no pedido de sabedoria de Salomão, Deus resolveu lhe dar todo o resto: conhecimento, entendimento, riquezas, honras, vida longa – “como ninguém teve antes de você, nem terá depois”… Registre-se que toda essa conversa de Salomão com Deus aconteceu em um sonho de Salomão (1 Reis 3:1-15)…

Para encurtar a história, Salomão reinou durante 40 anos (como seu pai Davi, antes dele, e como Saul, antes de Davi…) e nesse tempo construiu o Primeiro Templo de Jerusalém (sobre a construção do Tempo, vide 1 Reis 5:1-6:38). [Esse negócio de três reinados seguidos de 40 anos parece mandato de rei. Que os presidentes brasileiros (no sentido genérico, que inclui as presidentas, se é que um dia vai haver mais do que uma) não sigam a moda. Mas voltemos a Salomão…]. Mais para o fim de seu longo reinado e de sua vida (Salomão morreu em plena posse do poder), depois de se casar com 700 mulheres e arrumar 300 concubinas, muitas delas estrangeiras, Salomão deixou-se enredar por elas e abandonou os mandamentos de Jeová, que, por amor ao seu pai, não lhe tirou o trono imediatamente, mas fez com que 8/10 do reino viessem a ser perdidos pelo seu filho e descendente, Reboão… Foi aí que surgiu a divisão entre o chamado Reino de Israel (com os 8/10 compostos pelas tribos do Norte, que deixou de ficar com os descendentes de Salomão) e o chamado Reino de Judá (com os 2/10 compostos pelas tribos do Sul, que incluía Jerusalém e, naturalmente, Belém, de onde Davi era originário), que ficou com Reboão, filho de Salomão. Ficando o Reino de Judá com Salomão tornou-se possível construir uma genealogia de Jesus como descendente de Davi, no Evangelho (Mateus 1 – muito embora nessa genealogia Jesus seja descendente de Davi, registre-se, pelo lado paterno, isto é de José, que, logo em seguida, se esclarece que não era o pai de Jesus…). [A morte de Salomão é relatada em 1 Reis 11:41-43; a revolta das tribos do Norte, lideradas por Jeroboão, e a divisão do reino em dois, Israel e Judá, em 1 Reis 12:1-20 e 2 Crônicas 10:1-19. A divisão dos dois reinos se deu assim que Reboão foi coroado, em 931 aC. O Reino do Norte durou cerca de 210 anos, até 721 aC, quando foi tomado pelos Assírios, o povo de Israel sendo levado cativo para a Assíria (2 Reis 17:5-40), e o Reino do Sul até 586, quando foi tomado pelos Babilônios, que conquistaram Jerusalém (2 Reis 25:1-7), destruíram o Tempo construído por Salomão (2 Reis 25:8-17) e levaram cativo o povo de Judá para a Babilônia (2 Reis 25:18-21). Nabucodonosor, rei da Babilônia, deixou um preposto, Gedaías, em Judá, para governar os judeus que não foram levados para a Babilônia, mas Gedaías foi assassinado e o povo de Judá que permanecia na Palestina fugiu para o Egito (2 Reis 25:22-26). Essa história do Cativeiro Babilônico é relatada ou mencionada em vários outros lugares na Bíblia. Oportunamente, a começar em 538 aC, os judeus do Sul começaram a voltar para a Judéia, onde reconstruíram o Templo, que, reconstruído, durou cerca de seiscentos anos, até que foi destruído novamente, agora pelos Romanos, que, no ano 70 aD, já na nossa era, arrasaram Jerusalém, e com a cidade o Templo, expulsando os judeus para fora da Palestina  – até, de certo modo, o século 19, quando começaram a voltar com o Sionismo, para, no século 20, ganhar de novo uma pátria ali, que eu espero que eles defendam bem para nunca mais perder.]

o O o

Ao ler essa longa história lembrei-me de minha primeira infância. Para mim, quando era pequeno, a Bíblia era fonte de aprendizado e de entretenimento.

Para mim ela foi, em um primeiro momento, cartilha: aprendi a ler nela, por volta de 1948, quando tinha cerca de cinco anos. Meu pai era pastor. Naquela época ele pastoreava um campo pioneiro no Norte do Paraná. Mudamos de Marialva para Maringá na época que esta cidade foi emancipada, 1947. Parecia o Oeste Americano. Havia tiroteios na rua com frequência. Era arriscado brincar fora de casa, até mesmo no quintal da casa que ficava anexa à parte de trás do Salão de Cultos. O jeito era brincar dentro de casa. Meu irmão, Flávio, ainda era muito pequeno: tinha apenas dois anos. Então a saída era inventar coisas para fazer. Aprender a ler foi uma delas. Meu pai lia bastante e minha mãe também. O exemplo surtiu efeito. Comecei tentando ler passagens que eu conhecia bem e, com um pouco de ajuda do pai e da mãe, logo estava lendo qualquer coisa – os Salmos, os Evangelhos e os livros históricos do Velho Testamento. Da Bíblia passei a ler os romances policiais sobre Perry Mason que minha devorava… Se a gente pensar bem, o Velho Testamento de Samuel, Reis e Crônicas tem quase tanto assassinato como os livros de Earle Stanley Gardner…

Mas voltemos à Bíblia. Ali há história, há narrativa, há poesia, há parábola (que é algo parecido com uma fábula), há provérbios, há cartas, há preceitos morais, religiosos, e de bom senso, há profetas dando sarrafadas morais e religiosas num povo meio relaxado, e há uma literatura meio fantástica como a do Apocalipse (à qual eu, confesso, nunca foi apegado)… A Bíblia é instrutiva, fonte de aprendizagem, e, para um menino, ansioso por descobrir o mundo através da literatura (visto que não tinha condições de sair de casa), divertido. Literalmente divertido.

E, além dessa série de gêneros literários que foi citada, há o livro de Eclesiastes. É meio difícil classificar Eclesiastes. Talvez a melhor classificação do livro é como “Filosofia de Vida”. É uma filosofia de vida meio instigante, que faz a gente pensar. Há momentos em que o autor soa meio cínico, um tanto pessimista, como quem se desencantou da maior parte da vida… Há momentos em que ele parece ainda encontrar algum prazer em atividades simples, despretensiosas, como tomar vinho e curtir a mulher que a gente ama…

Só isso já mostra que o autor é homem. Se fosse mulher, falaria em tomar talvez um Campari com o homem amado…

Há quem conclua que Salomão foi o autor de Eclesiastes, com base em 1:1 e 1:12, especialmente. O livro tem um narrador que, depois de um curto versículo introdutório (1:1), passa a palavra àquele que seria o autor, propriamente dito, para retoma-la só ao final. O narrador diz que o autor é um “Sábio”, e que “era filho de Davi e Rei em Jerusalém” (1:1). Certamente o narrador pretende nos fazer crer que se trata de Salomão, o único filho de Davi que foi rei de Israel. Mas há vários indícios linguísticos e históricos de que o autor não foi Salomão. No versículo 1:12 o autor, diz: “Eu, o Sábio, fui rei de Israel, em Jerusalém”. Como “fui rei de Israel”, posto que Salomão morreu como rei!!! Nunca poderia ter dito “eu fui rei de Israel” porque nunca houve época em que ele o tivesse sido. Se fosse verdade que o autor de Eclesiastes era Salomão, e Salomão o tivesse escrito em sua velhice, arrependido das besteiras que fez na mocidade e na adultice, apesar de sábio, mas, na realidade, “desencantado da vida” (como diz o Professor Paulo Vanzolini em “Ronda”), ele teria dito “eu sou rei de Israel”… Enfim, até e a Bíblia de Estudo da Nova Tradução em Linguagem de Hoje admite que o livro não foi escrito por Salomão, tendo sido escrito entre 450 e 200 aC, cerca de 500 anos ou mais depois da morte de Salomão (vide a Introdução ao livro de Eclesiastes, p.751 na minha edição).

Além disso, acrescento aqui minhas considerações. Se foi Salomão o autor de Cantares, é quase impossível crer que a mesma pessoa tivesse escrito também Eclesiastes… A visão de mundo, a filosofia de vida, e o estilo literário claramente não batem. Nem mesmo que se afirme, como pretendem alguns comentaristas conservadores, que Cantares revela o Salomão jovem, quase adolescente ainda, entusiasmado com os seios de suas amadas, e Eclesiastes o Salomão mais velho, mais cansado da vida, depois do desencantamento da vida que lhe proporcionaram algumas de suas mil mulheres… Nem todas, é verdade. O autor de Eclesiastes ainda revela que curte a companhia da mulher que se ama, ao lado de uma taça de vinho… Se é verdade o que diz a Bíblia, que ele teve mil mulheres (não sei se em paralelo ou em série), isso talvez fosse suficiente para deixar qualquer homem meio cínico e pessimista ao final da vida… Mas consideremos a questão da autoria resolvida (não foi Salomão) e deixemo-la de lado.

o O o

Em um artigo em um blog meu, que virou postagem no Facebook, selecionei várias passagens de Eclesiastes às quais dei o nome de “Pérolas Esparsas”. Meu pai tinha um livro com esse título de que eu sempre gostei. Ao ler um livro não é preciso que a gente encontre “pérolas” a cada linha. Basta que encontre algumas, espargidas ao longo do texto. Transcrevo-as aqui, para servir de base para minha conclusão na seção seguinte.

 “Tudo neste mundo tem o seu tempo;
cada coisa tem a sua ocasião.

Há tempo de nascer e tempo de morrer;
tempo de plantar e tempo de arrancar;
tempo de matar e tempo de curar;
tempo de derrubar e tempo de construir.

Há tempo de ficar triste e tempo de se alegrar;
tempo de chorar e tempo de dançar;
tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las;
tempo de abraçar e tempo de afastar.

Há tempo de procurar e tempo de perder;
tempo de economizar e tempo de desperdiçar;
tempo de rasgar e tempo de remendar;
tempo de ficar calado e tempo de falar.

Há tempo de amar e tempo de odiar;
tempo de guerra e tempo de paz.”

(Eclesiastes, 3:1-8)

“Procurei descobrir qual a melhor maneira de viver e então resolvi me alegrar com vinho e me divertir. Pensei que talvez fosse essa a melhor coisa que uma pessoa pode fazer durante a sua curta vida aqui na terra.” (Eclesiastes 2:3). 

“Então eu me arrependi de ter trabalhado tanto e fiquei desesperado por causa disso. A gente trabalha com toda a sabedoria, conhecimento e inteligência para conseguir alguma coisa e depois tem de deixar tudo para alguém que não fez nada para merecer aquilo. Isso também é ilusão e não está certo!” (Eclesiastes 2:20-22).

“A melhor coisa que alguém pode fazer é comer e beber e se divertir com o dinheiro que ganhou. (…) Mesmo essas coisas vêm de Deus. Sem Deu, como teríamos o que comer ou com que nos divertir?” (Eclesiastes 2:24-25)

“Então entendi que nesta vida tudo o que a pessoa pode fazer é procurar ser feliz e viver o melhor que puder. Todos nós devemos comer e beber e aproveitar bem aquilo que ganhamos com o nosso trabalho. Isso é um presente de Deus.”  (Eclesiastes 3:12-13).

“Cheguei à conclusão de que Deus está pondo as pessoas à prova para que elas vejam que não são melhores do que os animais. No fim das contas, o mesmo que acontece com as pessoas acontece com os animais. Tanto as pessoas como os animais morrem. O ser humano não leva nenhuma vantagem sobre o animal, pois os dois têm de respirar para viver. Como se vê, tudo é ilusão, pois tanto um [o ser humano] como o outro [o animal] irão para o mesmo lugar, isto é, o pó da terra. Tanto um como o outro vieram de lá e voltarão para lá. Como é que alguém pode ter a certeza de que o sopro de vida do ser humano vai para cima e que o sopro de vida do animal desce para a terra? Assim, eu compreendi que não há nada melhor do que a gente ter prazer no trabalho. Esta é a nossa recompensa. Pois como é que podemos saber o que vai acontecer depois da nossa morte?” (Eclesiastes 3:18-22)

“Também descobri por que as pessoas se esforçam tanto para ter sucesso no seu trabalho: é porque elas querem ser mais do que os outros. Mas tudo é ilusão. É tudo como correr atrás do vento. Dizem que só mesmo um louco chegaria ao ponto de cruzar os braços e passar fome até morrer. Pode ser. Mas é melhor ter pouco numa das mãos, com paz de espírito, do que estar com as duas mãos sempre cheias de trabalho, tentando pegar o vento.” (Eclesiastes 4:4-6)

“Descobri que na vida existe mais uma coisa que não vale a pena: é o homem viver sozinho, sem amigos, sem filhos, sem irmãos, sempre trabalhando e nunca satisfeito com a riqueza que tem. Para que é que ele trabalha tanto, deixando de aproveitar as coisas boas da vida? Isso também é ilusão, é uma triste maneira de viver. É melhor haver dois do que um, porque duas pessoas trabalhando juntas podem ganhar muito mais. Se uma delas cai, a outra a ajuda a se levantar. Mas se alguém está sozinho e cai, fica em má situação, porque não tem ninguém que o ajude a se levantar. Se faz frio, dois podem dormir juntos e se esquentar; mas um sozinho, como é que vai se esquentar?” (Eclesiastes 4:7-11) 

“Tenha cuidado quando for ao Templo.  (…) Vá pronto para ouvir e obedecer a Deus. Pense bem antes de falar e não faça a Deus nenhuma promessa apressada. (…) Fale pouco. Quanto mais você se preocupar, mais pesadelos terá; e quanto mais você falar, mais tolices dirá. (…)  É melhor não prometer nada do que fazer uma promessa e não cumprir.” (Eclesiastes 5:1-5).

“Então cheguei a esta conclusão: a melhor coisa que uma pessoa pode fazer durante a curta vida que Deus lhe deu é comer e beber e aproveitar bem o que ganhou com o seu trabalho. Essa é a parte que cabe a cada um.” (Eclesiastes 5:18.

“Se Deus der a você riquezas e propriedades e deixar que as aproveite, fique contente com o que recebeu e com o seu trabalho. Isso é um presente de Deus. E você não sentirá o tempo passar, pois Deus encherá o seu coração de alegria.” (Eclesiastes 5:19-20).

“Uma coisa é certa: quanto mais falamos, mais tolices dizemos; e não ganhamos nada com isso” (Eclesiastes 6:11).

“Quem só pensa em se divertir é tolo; quem é sábio pensa também na morte. . . . É melhor ir a uma casa onde há luto do que ir a uma casa onde há festa, pois onde há luto lembramos que um dia também vamos morrer. E os vivos nunca devem esquecer isso.” (Eclesiastes 7:4,2).

“Há pessoas boas que morrem, e há pessoas más que continuam a viver a sua vida errada. Por isso, não seja bom demais, nem sábio demais; por que você iria se destruir? Mas também não seja mau demais, nem tolo demais; por que você iria morrer antes do seu tempo? Por isso, evite tanto uma coisa como a outra.” (Eclesiastes 7:15-18)

“Não existe no mundo ninguém que faça sempre o que é direito e que nunca erre. . . . É melhor ouvir a repreensão de um sábio do que escutar elogios de um tolo.” (Eclesiastes 7:20, 5).

“Estou convencido de que devemos nos divertir porque o único prazer que temos nesta vida é comer, beber e nos divertir. Podemos fazer pelo menos isso enquanto trabalhamos durante a vida que Deus nos deu neste mundo.” (Eclesiastes 8:15).

“Ninguém sabe nada do que vai acontecer no futuro, mas isso não faz diferença. Pois a mesma coisa acontece com os honestos e os desonestos, os bons e os maus, os religiosos e os não religiosos, os que adoram a Deus e os que não adoram. A mesma coisa acontece com quem é bom e com quem é pecador.  (…) A mesma coisa acontece com todos; e isso é o pior de tudo o que acontece neste mundo.” (Eclesiastes 9:1-3).

“Só os vivos têm esperança. É melhor ser um cachorro vivo do que um leão morto!” (Eclesiastes, 9:4; tradução A Bíblia Viva.)

“Enquanto você viver neste mundo de ilusões, aproveite a vida com a mulher que você ama. Pois isso é tudo que você vai receber pelos seus trabalhos nesta vida dura que Deus lhe deu.” (Eclesiastes 9:9).

“Eu descobri mais outra coisa neste mundo: nem sempre são os corredores mais velozes que ganham as corridas; nem sempre são os soldados mais valentes que ganham as batalhas. Notei ainda que as pessoas mais sábias nem sempre têm o que comer e que as mais inteligentes nem sempre ficam ricas. Notei também que as pessoas mais capazes nem sempre alcançam altas posições. Tudo depende da sorte e da ocasião.” (Eclesiastes 9:11).

“Se alguém colocar moscas mortas num vidro de perfume, ele acabará cheirando mal! Assim, um pequeno erro pode destruir muita sabedoria e honra.” (Eclesiastes, 10:1; tradução A Bíblia Viva).

“As festas ajudam a gente a se divertir, e o vinho ajuda a gente a se alegrar; mas sem dinheiro não se pode ter nem uma coisa nem outra. Não critique o governo nem mesmo em pensamento e não critique o homem rico nem mesmo dentro do seu próprio quarto, pois um passarinho poderia ir contar a eles o que você disse.” (Eclesiastes 10:19-20).

“Quem fica esperando que o tempo mude e que o tempo fique bom, nunca plantará, nem colherá nada.” (Eclesiastes 11:4).

“Se você esperar que tudo fique normal, jamais fará qualquer coisa.” (Eclesiastes 11:4; tradução A Bíblia Viva.)

“É maravilhoso viver! Ver a luz, o sol! Se uma pessoa chegar à velhice, deve se alegrar em todos os dias de sua vida. Mas se deve lembrar também que a eternidade é muito mais comprida; quando se compara a vida com a eternidade, o que fazemos aqui não vale nada!” (Eclesiastes, 11:7-8; tradução A Bíblia Viva.)

[Exceto onde indicado (quatro citações), no restante foi usada a Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH), que, de resto, foi usada na primeira parte do texto também. As quatro exceções foram tiradas da tradução A Bíblia Viva, que é uma tradução quase parafraseada que vale a pena conferir. Exceto no caso da primeira citação, o restante vem na ordem dos capítulos do livro, embora, dentro dos capítulos, eu tenha feito uma ou outra inversão na ordem dos versículos, devidamente assinalada na referência.]

o O o

Que lições podemos tirar dessas passagens citadas (e várias outras que poderiam ter sido acrescentadas?

Várias. Talvez inúmeras.

Mas, primeiro, vou me referir a uma conclusão (só uma) que é relevante para a Teologia – judaica e cristã, mas principalmente para esta. As demais são relevantes para a Vida – inclusive a nossa vida, hic et nunc, aqui e agora.

A conclusão relevante para a Teologia se revela no fato de que Eclesiastes tem sido chamado de um livro que não se encaixa no contexto dos demais na Bíblia – tanto na Bíblia Judaica como na Bíblia Cristã. O termo que se lhe aplica é “misfit”: Eclesiastes é um livro desajustado na Bíblia. (Há um filme com Clark Gable, Montgomery Clift e Marylin Monroe que se chama “The Misfits”: Os Desajustados. Os três, no filme, se mostram pessoas desajustados à vida. Eclesiastes se mostra desajustado à Bíblia. Vejamos apenas alguns exemplos:

  • Eclesiastes 3:18-20 argumenta que não há grande diferença entre os homens e os animais. Ambos vieram da terra. Ambos nascem, vivem e morrem. Quando morrem, voltam para a terra, de onde vieram, e ponto final. É uma ilusão “ter a certeza de que o sopro de vida do ser humano vai para cima e que o sopro de vida do animal desce para a terra”. Esse é o nosso fim. Se algo diferente disso acontece, não há como possamos saber. Em outras palavras: vida após a morte, seja através da ressurreição dos mortos, seja por causa da imortalidade da alma, tudo isso é ilusão. Embora houvesse judeus (os saduceus) que não acreditavam na ressureição dos mortos, os cristão sempre aceitaram. E alguns aceitam a imortalidade da alma também.
  • Eclesiastes 7:15-18 comenta e recomenda: “Há pessoas boas que morrem, e há pessoas más que continuam a viver a sua vida errada. Por isso, não seja bom demais, nem sábio demais; por que você iria se destruir? Mas também não seja mau demais, nem tolo demais; por que você iria morrer antes do seu tempo? Por isso, evite tanto uma coisa como a outra.” O comentário não se disputa. Mas e a recomendação? O que fazer com o “Portanto, sejam perfeitos como perfeito é o Pai de vocês que está nos céus”, de Mateus 5:48, palavras atribuídas a Jesus, e que, portanto, vêm em cor diferente em algumas Bíblias? É verdade que há pastor por aí, como o meu amigo no Facebook, Rev. Elienai Cabral Júnior, que afirma que Jesus, tendo sido perfeito, nos salvou, com sua morte, até mesmo da necessidade de ser perfeitos, ou, talvez, até de perseguir a perfeição. Ele tem até um livro com o título Salvos da Perfeição. Mas tem muito cristão por aí que não concorda com o Elienai, e que não só continua buscando a perfeição mas até, muitas vezes, acha que a alcançou… É verdade também que Jesus, como Eclesiastes, de vez em quando desequilibra… Lembram-se da Parábola do Fariseu e o Publicano? O fariseu se julgava o bom. Se não perfeito, chegando lá. Dava graças a Deus por não ser como os demais homens. O publicano, pobre coitado, apenas pedia a Deus que tivesse misericórdia dele, pecador. E o publicano, diz a parábola, foi para sua casa justificado, foi tornado, ou considerado, justo.
  • Em várias passagens, algumas das quais citarei a seguir, o autor de Eclesiastes chega perto de dizer que a vida é tão injusta, em tantos aspectos, que é difícil de acreditar que Deus, que a dá, que arbitra sua duração, e a tira, seja justo – pelo menos segundo os nossos critérios de justiça.

Basta… Vamos ver se achamos algumas “Lições de Vida” em Eclesiastes que sirvam para nós, aqui neste mundo (pois que do mundo futuro não é possível saber nada), agora (como, aparentemente, acreditava o autor de Eclesiastes, serviam para o seu tempo, tanto que se preocupou em transmitir sua mensagem.

o O o

A primeira grande Lição de Vida é a de que muito pouco da nossa vida está sob nosso controle. Nós não escolhemos quando, onde, de quem vamos nascer, nem que características (físicas, mentais, etc.) teremos. Tudo parece ser regido pelos princípios da “sorte” (e do azar) – vide a passagem de Eclesiastes 9:11, citada atrás. Um tem sorte, e nasce um Salomão, “com o busanfã virado pra Lua”, como diz o grande teólogo Faustão. Ganha sabedoria, conhecimento, entendimento, riqueza, poder, honra, fama, mulheres… Outro nasce sem condições de sobreviver: desnutrido, doente, pobre, sem quase nenhuma possibilidade de dar certo na vida e vir a adquirir ainda que seja uma pequena parcela daquilo que Salomão teve. Isso é justo?

Mas a injustiça da coisa vai além. Às vezes, por mais difícil que seja, o que nasceu doente e pobre luta, batalha, melhora na vida, consegue alguma coisa, talvez até consiga acumular alguma riqueza, e tudo sem roubar ou fraudar, e, quando está pronto para desfruta-la, morre em decorrência de uma doença repentina e incurável, ou em um acidente de carro, ou, fruto da maldade alheia, em um roubo seguido de assassinato… Isto é justo? Além de ser injusto, parece quase sádico! Por que não deixar o cara morrer enquanto era pequeno? O autor de Eclesiastes chega a sugerir (6:3) que “uma criança que nasce morta tem mais sorte do que ele”.

Assim, uma primeira grande Lição de Vida é que a vida, qualquer que tenha sido a razão pela qual foi criada, não é justa. Fim de papo. E não adianta tentar torna-la mais justa com políticas públicas e coisas assemelhadas. O cara recebe um terreno de graça no assentamento ou uma casinha do “Minha Casa, Minha Vida” e vende ou aluga, arruma um jeito de fraudar o esquema. Os que estão administrando o sistema, roubam, corrompem, ficam ainda mais ricos do que já eram. O autor de Eclesiastes é realista (não cínico como o chamam alguns) porque é genuinamente pessimista. Parece Agostinho, que, acreditando que a justiça só vai imperar na Cidade de Deus (na vida futura), não tinha ilusão nenhuma sobre a Cidade dos Homens: sobre ela, seus governantes e seus súditos, era tão realisticamente pessimista quanto Maquiavel. O autor de Eclesiastes é mais ou menos um precursor deles.

Uma segunda lição. O autor de Eclesiastes não é, como Agostinho, ou alguns seguidores de Calvino, alguém que acredita que a natureza humana é totalmente corrompida, que nada de bom sobra nela. Ele acredita que temos, ou alguns de nós têm, algo de bom, um resquício de livre arbítrio, que nos torna capazes de fazer escolhas, tomar decisões, agir, de preferir sabedoria a fama e riquezas… Mas ele sabe que nunca seremos capazes de garantir que nossas ações surtirão sempre os efeitos desejados, porque a gente não controla as ações dos outros e, além do mais, há fatores imprevisíveis e imponderáveis (aquilo que geralmente chamamos de sorte e azar – ou que a teologia chama de divina providência, cujos decretos são admitidamente insondáveis e inescrutáveis)… Por isso, ele concordaria com quem disse que quando revelamos a Deus os nossos planos, Deus dá risada deles…  Inocente, conclui Deus: mal sabe ele que vai morrer a semana que vem… Você sabe o que quer, se mata de trabalhar para alcançar, e, quando alcança o que sempre esperou, tem um infarto e morre… A segunda Lição de Vida que o autor de Eclesiastes nos deixa é que devemos sempre viver como se o dia de hoje fosse o nosso último – e não pudéssemos ter certeza de que a nossa vida vai continuar em um outro plano.

Diante disse, a terceira grande Lição de Vida é aprender a fruir ou desfrutar as coisas simples da vida. O autor de Eclesiastes afirma que trabalhar pode ser um prazer que enriquece a vida – se não estivermos tentando ficar ricos, poderosos, famosos – coisas que tornam nossa vida geralmente um inferno. Quais as outras coisas: divertir-se, comer e beber (sempre vinho), curtir a pessoa amada, viver em companhia de pessoas que acrescentam qualidade à nossa vida… E nunca nos preocupar demais com o futuro… Devemos, diz ele, fazer o que é possível para combater injustiças e tornar nossa vida melhor, ma no troppo, sem exageros e fanatismos, sem fazer disso uma religião. Ele é contra os fundamentalismos, contra o excesso de rigor, contra os que não admitem pequenas falhas de caráter ou conduta… Não devemos ser sábios nem bons demais (nem maus demais, naturalmente). Devemos, isto sim, procurar fazer o que é certo, mas sem nos preocupar demais com nossos erros, nem com os dos outros (Vide 7:20, citado atrás: “Não existe no mundo ninguém que faça sempre o que é direito e que nunca erre”): por isso é preciso se compreensivo e tolerante, com nós mesmos e com os outros).

A quarta grande Lição de Vida é de que há tempo para tudo. Mas essa lição não devemos levar muito a sério. Às vezes o tempo nos falta, porque nós é tirado e nós morremos, por vezes cedo demais. Em regra, o melhor tempo para fazer as coisas, assinala o autor de Eclesiastes, é a mocidade, “antes  que venham os dias maus e cheguem os anos em que você dirá ‘Não tenho mais prazer na vida’” (12:1). Mas quem chega a esses dias e anos deve se sentir feliz, porque a alternativa é morrer cedo e nem ter tempo de fazer nada, ou grande coisa. Por isso, o autor afirma: “É maravilhoso viver! Ver a luz, o sol! Se uma pessoa chegar à velhice, deve se alegrar em todos os dias de sua vida.” (11:7). Esta é a atitude correta, e não dizer “Não tenho mais prazer na vida”, porque estou velho, doente, etc. Mesmo na velhice é possível comer comida gostosa, beber vinho, e curtir a vida junto a quem se ama. O fim pode chegar a qualquer momento – mas para muitos o fim chegou quando eles eram muito jovens e não tiveram nenhum dos prazeres que a gente que é velho já teve e pode ainda ter…

“Quem fica esperando que o tempo mude e que o tempo fique bom, nunca plantará, nem colherá nada.” (Eclesiastes 11:4; NTLH).

“Se você esperar que tudo fique normal, jamais fará qualquer coisa.” (Eclesiastes 11:4; tradução A Bíblia Viva).

“Quem só pensa em se divertir é tolo; quem é sábio pensa também na morte. . . . É melhor ir a uma casa onde há luto do que ir a uma casa onde há festa, pois onde há luto lembramos que um dia também vamos morrer. E os vivos nunca devem esquecer isso.” (Eclesiastes 7:4,2; NTLH).

 o O o

“O que é que esse livro está fazendo na Bíblia?”, perguntou um escritor ortodoxo e conservador. Eclesiastes pode parecer um desajustado dentro da Bíblia, o menos canônico dos livros canonizados. Mas ele tem maravilhosas Lições de Vida – possivelmente por ser diferente. Talvez essas lições não sejam muito teológica ou politicamente corretas, mas são maravilhosas. Não deixe de ler o Eclesiastes e de refletir com calma sobre suas lições. Quem sabe todo dia um pouquinho…

Em Salto, 21 de Março de 2017

[Texto escrito com vistas a uma palestra que darei, em 25/3/2017, para o Ministério “Amigos no Caminho”, da Catedral Evangélica de São Paulo (a Primeira Igreja Presbiteriana de São Paulo), destinado a solteiros, viúvos e outros descasados…]

Anúncios